26 set 2017

Tratamento Íntimo a Laser: Por onde começar

No ambiente médico, na mídia e na internet, o assunto da vez é o LASER. E agora os ginecologistas e até mesmo os dermatologistas começam a ser procurados pelas pacientes para tratamento íntimo a LASER.
Isso já começou a acontecer no seu consultório? Você está pensando em ampliar os tipos de tratamentos que já oferece para às pacientes? Se a resposta for sim para alguma dessas perguntas, antes de fazer a mudança, é importante avaliar os quatro pontos que listamos neste artigo. Confira.


1. Analise suas próprias pacientes
Suas pacientes já apresentam queixas relacionadas à problemas referentes à região íntima, como incontinência urinária, transtornos, disfunção sexual e até mesmo questões estéticas? (veja a lista completa aqui).
Faça uma lista desses problemas e perceba se existe somente a necessidade de um tratamento de ordem funcional, de ordem estética ou de ambos. Por último, compile as características comuns em suas pacientes: faixa etária e principais queixas são ótimos pontos de partida. Por exemplo: paciente com faixa etária de 40 a 50 anos, e queixas relacionadas à estética íntima de uma maneira geral.
Estas informações serão valiosas para definir a tecnologia que será utilizada em seu consultório.

2. Pesquise as ferramentas disponíveis no mercado
Depois de entendido o contexto do consultório, você deve começar a pesquisar quais são as ofertas de tecnologia no mercado. Elas vão se diferenciar nos seguintes requisitos: podem ter vocação para tratamento endovaginal ou para tratamento externo da virilha e região (como para clareamento, depilação permanente e flacidez).
O acessório ATHENA®, de ETHEREA-MX, por exemplo, é uma novidade abrangente no mercado, pois trabalha as áreas externa e interna da região íntima da paciente.


3. Entenda as ferramentas disponíveis no mercado e defina o método a ser utilizado
Antes de qualquer aquisição, ajuste a expectativa: entenda até onde a ferramenta pode fornecer as soluções que você busca. Reflita sobre o contexto mapeado das suas pacientes e se pergunte: os benefícios dessa ferramenta atendem plenamente às necessidades das minhas pacientes e até mesmo da minha própria clínica, como um todo?
Essa decisão é relevante, pois você pode ter uma faixa etária de idade avançada prevalecente no consultório que requer não apenas um única tecnologia a LASER, mas também outras que seriam de certa forma complementares.


Ao avaliar as tecnologias disponíveis, observe:

● Benefícios da tecnologia a LASER (além do contexto da exclusividade médica, observe as contraindicações e limitações de outras tecnologias frente ao LASER, por exemplo);
● Eficácia baseada em pesquisas e evidências científicas, com base na própria tecnologia (histórico de uso na medicina, por exemplo) ou em função de diferenciais (como efeito do feixe LASER no tecido, por exemplo);
● Custos envolvidos e suporte oferecido pela empresa - desde a reposição de peças e partes até os serviços de assistência técnica e treinamento;
● Número de tecnologias e versatilidade oferecida pelo mesmo aparelho, potencializando as indicações oferecidas aos pacientes.
4. Realize uma análise de viabilidade
Compile as informações e avalie a viabilidade do investimento. Proceda da seguinte maneira:
● Identifique os custos diretos envolvidos na aquisição ou locação de um aparelho ou tecnologia, bem como os honorários médicos relacionados à sua prática clínica (a indústria ajudará você nisso);
● Em seguida, defina o preço que você se sentirá confortável em oferecer para o paciente - considere o perfil de público atendido e região;
● Você chegará na margem de lucro de cada procedimento;
● Divida o valor total do investimento pelos custos totais envolvidos (aquisição ou locação). Você saberá quantos pacientes são necessários para realizar o retorno do investimento;

Após essa análise, você verificará se é viável ou não a introdução dessa tecnologia no seu consultório. Se a aquisição não for viável, você ainda poderá avaliar a possibilidade de compartilhar o equipamento com outro médico ou alugar o equipamento no mercado. Existem empresas especializadas em locação desses equipamentos para profissionais iniciantes que possuem pouca demanda.

Lembrando que é da competência de cada empresa que oferece essa tecnologia capacitar o médico para uso do equipamento, seja alugado ou comprado.